Nulo na 1ª jornada da Taça da Liga

aboubakar_vs_leixoes_241017

O FC Porto entrou em falso na edição 2017/18 da Taça da Liga, ao empatar 0-0 com o Leixões no Estádio do Dragão. Com este resultado, os portistas igualam o Paços de Ferreira (já com duas partidas realizadas) e o Rio Ave (com uma), ambos com um ponto somado, e ficam a três do adversário desta terça-feira, que se mantém líder do grupo D. Na próxima jornada, marcada para 29 de novembro, há jogo na Mata Real diante dos castores.

Face ao calendário sobrecarregado de outubro/novembro, Sérgio Conceição apostou num onze renovado no qual se destacou a estreia de Galeno a titular e em que apenas resistiram três jogadores relativamente àquele que alinhou de início no encontro de passado sábado com o Paços de Ferreira (6-1), para o campeonato: José Sá, Felipe e Aboubakar. Pela frente estava o atual quarto classificado da Liga LedmanPro, que se apresentou no Dragão desinibido, sem complexos, a jogar no campo todo, pressionando alto de forma a não deixar o FC Porto sair confortável para o ataque.

Os leixonenses jogavam um futebol positivo, mas também agressivo, recorrendo sistematicamente à falta para travar os portistas, o que fez com que o jogo tivesse muitas paragens e também poucas jogadas junto das balizas durante a primeira parte. A mais flagrante pertenceu aos Dragões, quando Galeno, em boa posição, atirou por cima, na conclusão de uma boa combinação pelo lado direito (13m). O Leixões, por seu turno, apenas conseguiu levar algum perigo num livre direto que não passou muito longe do alvo (37m).

O FC Porto entrou no segundo tempo impondo um rtimo de jogo mais elevado, mas a verdade é que continuava a sentir algumas dificuldades para ultrapassar a bem organizada defesa do Leixões. Nesse sentido, Sérgio Conceição viu-se obrigado a intervir, lançando, numa primeira fase, Marega e Corona e, pouco depois, Brahimi, que tinha na bancada um espetador especial: Rabah Madjer, o agora selecionador da Argélia e campeão europeu de Viena pelos Dragões em 1987.

Recuperada a frente de ataque que, 72 horas antes, tinha dizimado o Paços de Ferreira, os portistas intensificaram naturalmente a pressão, encostando o Leixões à sua área, mas não foram capazes de transformar em golo as poucas oportunidades criadas, nomeadamente um remate de Diego Reyes após uma grande jogada de Maxi (79m) e um cabeceamento de Marega que rasou a barra da baliza de André Ferreira (86m). E foi assim que, pela primeira vez nesta época, os azuis e brancos terminaram um jogo no Estádio do Dragão sem festejar qualquer golo.

*in FCPorto

Comentários