“Não tinha dúvidas de que íamos dar o máximo” – Sérgio Conceição

sergio_conceicao_vs_rio_ave_180217 (2)

Mesmo com 45 minutos por disputar no Estoril, o FC Porto está novamente na liderança da Liga NOS depois de receber e bater o Rio Ave (5-0), no Estádio do Dragão, na 23.ª jornada da prova. No final do encontro, Sérgio Conceição sublinhou a qualidade portista nos dois lados do campo e considerou a diferença justa, ainda que os Dragões tenham desperdiçado algumas oportunidades para engordar ainda mais o resultado.

Caráter e personalidade
“Não entrámos a pensar no jogo com o Liverpool. Preparámos o jogo de forma tranquila, sabendo o que tínhamos de fazer frente a uma boa equipa, que está a realizar um excelente Campeonato. O caráter e a personalidade dos jogadores ficou sempre demonstrado após resultados negativos, não foi só hoje. Não tinha dúvidas de que íamos dar o máximo, mas podia acontecer que esse máximo não fosse suficiente. Entrámos forte, agressivos, no bom sentido, e conseguimos não deixar o Rio Ave sentir-se confortável no jogo. A nível de equilíbrio defensivo, também estivemos muito bem. Fizemos cinco golos, poderíamos ter feito mais, mas a diferença ajusta-se ao que se passou em campo.”

A prioridade é o Campeonato
“Há quatro ou cinco equipas que lutam pela Liga dos Campeões e depois pode haver uma ou outra surpresa. Defendemos um clube que tem história na Liga dos Campeões, mas mesmo os clubes que querem ganhar a Liga dos Campeões têm como principal objetivo a conquista do Campeonato. O nosso foco é o Campeonato, mas é claro que não gostamos de perder da forma que perdemos frente ao Liverpool. Não existe aquela diferença entre as duas equipas. Foi uma noite má da nossa parte.”

Casillas na baliza
“Faz parte das minhas opções, não mais do que isso. Os quatro guarda-redes têm trabalhado de uma forma fantástica e cabe-me escolher. Se puder escolher, creio que não existe qualquer maldade nisso. Foi simplesmente uma opção. Houve jogos em que o José Sá se calhar não esteve tão bem e continuou a jogar. Achei que neste período era importante a experiência de alguns jogadores em campo, além da qualidade, claro. Foi um conjunto de situações que avaliámos para depois decidirmos.”

Intensidade é imagem de marca
“Salvo raras exceções, temos sido intensos a época toda. Somos uma equipa que quer recuperar a bola rápido e que constantemente ganha duelos no jogo. Hoje foi isso que aconteceu. É pena por vezes os árbitros não interpretarem esses duelos e marcarem demasiadas faltas. Por vezes, apita-se demasiado no futebol português.”

Os 45 minutos que faltam no Estoril
“Desde o início do Campeonato que procuramos sempre a baliza adversária. Às vezes é preciso gerir melhor a posse de bola, etc, mas somos uma equipa muito objetiva, sempre à procura do golo. Da mesma forma que não pensámos no jogo com o Liverpool, também não pensámos nos 45 minutos que faltam jogar no Estoril. É um jogo especial e vamos entrar com muita vontade de ganhar, como sempre.”

*in FCPorto

Comentários