Estádio das Antas

O Estádio das Antas foi o 2º estádio propriedade do Futebol Clube do Porto, depois do Campo da Constituição (hoje transformado no Vitalis Park, acolhendo o futuro do clube).

Foi em 1937 que o clube começou a negociar a compra de terrenos para a construção de um novo estádio. De início a escolha recaiu num terreno na zona da Vilarinha, perto do local onde agora temos o Parque da Cidade. Contudo um grupo de sócios defendia a construção nas Antas. A discussão prolongou-se durante anos, até que finalmente em 1943, o então presidente Cesário Bonito conseguiu convencer os sócios que o estádio nas Antas era a melhor solução.

E assim foi que a 4 de Dezembro de 1949, uma multidão acorreu às Antas para presenciarem a cerimónia de entrega dos terrenos ao clube por parte do Ministro das Obras Públicas – Engenheiro Frederico Ulrich, e o Sub-Scretário de Estado da Educação Nacional – Dr. Veiga de Macedo.

Então o avançar das obras dependia e muito da ajuda dos adeptos e associados, e para reunir o maior número de materiais, foram realizados cortejos:

José Bacelar, sócio n.º 1 do FC Porto na altura, pagou o salário do primeiro dia de trabalho a todos os operários. A solidariedade da população da cidade e da região para com o FC Porto ficou também marcada por dois “cortejos de materiais”, em que dezenas de camionetas, autocarros e furgonetas seguiram em cortejo para o estádio levando material de construção.

28 de Maio de 1952 é a data que jamais sairá da história do clube, dia em que o Futebol Clube do Porto passou a ter um estádio à altura da sua grandeza. A 1 de Junho de 1952 realizou-se o primeiro jogo oficial, com vitória do Futebol Clube do Porto sobre o Sporting por 2-0.

Aquando da sua inauguração o estádio tinha apenas 3 bancadas, a Central e as laterais. A construção da bancada Maratona, e fecho do estádio realizou-se em duas fases. Na primeira fase foi edificada a bancada, e na segunda fase a Arquibancada. O novo figurino do Estádio das Antas foi apresentado aos sócios a 30 de Abril de 1976, novamente com um jogo contra o Benfica (tal como aquando da inauguração do estádio).

Apenas 10 anos mais tarde, o estádio voltou a crescer com o rebaixamento do relvado. Construção que permitiu alargar a capacidade de 65.000 para 95.000 lugares, e eliminar a pista de atletismo e ciclismo.

Como não há duas sem três, a terceira inauguração das Antas, foi celebrada com novo jogo contra os rivais da Luz.

Nos anos 90 o estádio passou a ter apenas lugares sentados, com a lotação a ficar reduzida a cerca de 55.000.

O mítico Estádio das Antas foi a nossa casa até 24 de Janeiro de 2004, dia em que se realizou o derradeiro jogo, um Porto – Estrela da Amadora. A demolição começou em Março desse mesmo ano.

*fotos de http://paulobizarro.blogspot.pt/