Árbitro encomendado, treinador ressabiado e dois golos caídos do céu

E assim se transforma por completo um jogo que foi a maior parte do tempo de sentido único. Um jogo onde apenas uma equipa mostrou vontade de tentar algo diferente, perante um adversário que contra as equipas da 2ª circular joga sempre ao ataque, mas contra o Porto só sabe defender e esperar pela sorte do contra ataque.

E hoje teve essa sorte. E que sorte. Desde logo a sorte de contar com um Xistrema amigo. Já seria de esperar que após a vitória das papoilas no jogo de sábado, o colinho atacasse em força e nada melhor que Xistra para prejudicar o Porto no Minho. Está habituado. Os penaltis continuam a ser raros para o Porto, apesar de as faltas serem nítidas.

E o que dizer do adversário treinado por um ressabiado? Uma equipa que joga contra toda a gente ao ataque, menos contra o Porto. E consegue terminar o campeonato sem perder com o Porto. Depois do empate sortudo no Dragão, a vitória em casa, sem saber ler nem escrever.

Quanto à nossa equipa, espero que de vez caia o mito do grande plantel que temos. Do grande plantel que deram ao anterior treinador. Temos um plantel caro, muito caro, mas muito longe de ser um plantel de qualidade abundante.

A juntar à pouca qualidade em quantidade do plantel, o treinador demorou muito a mexer na segunda parte. André André entrou em 2016 sem conseguir aguentar mais que 45 minutos, e a seu lado teve hoje outro jogador que está igual – Rúben Neves.

Brahimi tenta fazer tudo sozinho, pois tem de esperar que os restantes jogadores subam, mas a maior parte das vezes enrola-se a si mesmo e acaba por perder a bola. Suk é abnegado, lutador, e tenta sozinho mexer com o ataque da equipa, mas Suk não é Super, é Suk.

Quanto a Casillas não vou partir para a critica fácil, pois se chegamos ao jogo de hoje com oportunidade de lutar pelo título, a si se deve.

Um resultado muito enganador, num fim de semana em que era proibido perder e o adeus definitivo ao título. A luta agora será pelo 2º lugar, já que o primeiro chegará de colo.

Comentários